Portal           Istya           Galeria
» Os Livros » Linguística » Quenya » AVA, ou as diversas formas de Negar...

Author Topic: AVA, ou as diversas formas de Negar...  (Read 7229 times)


Samanír
Guest


E-mail
AVA, ou as diversas formas de Negar...
« on: November 21, 2006, 12:12:14 PM »
Bem, mais uma vez, venho atentar-vos, com um assunto, que vos poderá parecer vazio, mas que no meu entender, segue na linha, que mais do que conhecer os textos do Prof. Tolkien, impoe-se conhecer, o seu pensamento, as suas ideias, formas de ver o mundo, o seu ‘intelecto literário’, para que possamos, ter pistas, para ver para além dos textos.

Não me contento em ler, sem entender o pensamento, por detrás do texto, a finalidade de escrita e acima de tudo, o que ocorria na mente do Prof. Tolkien, quando colocou isto ou aquilo, nos seus textos. Para quê? A experiencia que daí virá quem sabe se não dará os seus frutos.... :glare:

E é neste sentido que começo pelo Acto de Negar, pegando, nos vestigios das Linguas Élficas, que aparentemente, parece inutil, mas que tangencia, toda a obra, quer expresso, quer implicito em personagens, locais e actos. 

---------------------

 Se bem que uma dos mais elevados desafios humanos ser, o poder de  decidir, de influenciar a actividade (futura), de escolher qual o proximo comportamento, qual a proxima acção, esta atitude, até nas minimas coisas nos é apresentada, que em algumas é objecto de ponderação, noutras passa por um processo de automatismo.

Mas considerações morais para depois.

Digamos que é a base de toda a acção humana, o ponto de partida para o progresso, o ponto de exacção.

Ora esse momento de decisão, (que é o verdadeiro Presente, o verdadeiro Agora), em que se cria um momento tenso, que faz com que tanto variem os seus resultados.

De acordo com as suas competencias decisórias, entram em jogo os mecanismos. Dos que produzem efeito imediato, a Aceitação e a Recusa.

Recusar, é das mais simples e é sempre a pré-concebida. Daí a variadade de vocábulos para esta atitude, gestos, simbolos, etc.

A atitude de recusar, segue então uma ideia de resistência, de contrariedade, e no extremo, de oposto. Pois haverá ainda um além, que é antagonizar, contra-produzir, mas passa a ser uma recusa reflexiva, ou seja, já é outra decisão que não a puramente de recusa. :mad:

E tal como isso e em tudo, o jogo moral tem seu papel. De acordo com o que está a desenrolar-se, uma atitude negativa na recusa se impõe, e isso, não pode deixar de se conotar na Lingua.

Recusar, do ponto de vista, em que a recusa, nos pode ser prejudicial, é recusar contra o bom senso, e é neste campo, sempre neste, que as recusas tomam seu que de estranho, ridiculo, absurdo, pq não dize-lo, trágico, numa palavra, poético. :mellow:

Toma para si a estranheza e incongruência do comportamento humano, e  transfere para nós uma pseudo decisão, ao ponto de dizer ‘Se eu lá estivesse, faria doutra maneira...’, ou seja, na diversidade de personalidades e situações, uma ambiguidade surje, a da formação de opiniões, a de movimento de massas, a de interesse e atracção da atenção nesses casos. ^_^

Daí que surjam, tres grandes aplicações, na forma de dizer não, pura negação, ás coisas que estão sob nosso inteiro arbítrio, ou seja, não nos afectam integramente, ou alteram o estado das coisas, e não implicam a chamada directa a violencias e/ou obrigações. :blink:

1 - Recusar, uma oferta, um presente, donativo, graças ou dom, que não foi exigido ou pedido, e outros bens que se façam; a pura indiferença.

2 - Negar atender ou escutar as ideologias opostas ás suas, não permitir opiniões contrarias; o puro dogma.

3 - Recusar efectuar um acto, a um pedido urgente de ajuda, de socorro, um gesto de benevolencia, de bem, de carinho, de atenção e amor; a pura aversão.

Mais ou menos ver-se-a que só as ultimas duas, implicam estados negativos de moral, ou seja deixam uma má impressão, no espirito, do agente  passivo, do outro, e que a primeira complementa a terceira, e no aspecto moral arrisco a coloca-las na dialéctica de ‘BEM’ uma, e ‘MAL’ a outra. ;)

Tb nas linguas élficas, previstos foram tres tipos de pura negação, AVA; LA; UGU,UMU.

Desculpem este longo post, mas espero que não se silenciem, pois é mais um aspecto do pensamento de Tolkien, que se encontra no escuro, e é tão mais importante, quanto desejamos saber, porque os Elfos recusaram Válinor, e Válinor negou a ajuda a Elfos e Homens,  porque Melkor existiu,  porque foram criadas tantas formas más e tanto mal na Terra Média...E porque dalgum mal, surgiram coisas boas.. :D





Gwen
Editor de Conteúdos
Maia
*
Offline Offline


Posts: 1733

View Profile E-mail

Conquistas

award4
award9
award12
award13
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #1 on: November 21, 2006, 07:08:36 PM »
Um tópico interessante. E de alguma forma lembrou-me o texto “Ósanwë-kenta - A Comunicação por Pensamento”, e a ele recorri para relembrar algumas palavras.  :)

Para esta raiz UGU,UMU. – encontrei a palavra Únat: pl. únati. Uma coisa impossível de ser feita. Aparentemente composto de ú- + nat 'coisa'. Esta palavra no texto refere algo que ninguém, nem mesmo o mais poderoso dos Valar ou todos juntos, conseguiriam fazer: violar a mente de outro ser, que era algo único e inconquistável pela força, pois mente alguma, mesmo a mais poderosa, podia dominar ou inspeccionar outra mente contra a sua vontade. Era um género de uma lei, uma protecção inviolável que Eru tinha criado para respeitar a individualidade de todos os seus filhos; e portanto, uma lembrança perpétua de Eru e da sua invencibilidade. ^_^  E de alguma forma, esta forma de negação está ligada ao verbo “Ser”: umin “Eu não sou/eu não estou”… ; ou a algo que não se consegue fazer: úquétima “indizível – impossível de ser dito”; únótimë “incontável, impossível de contar”.  :huh: será por aí???  :unsure:

Para a raiz  AVA, lembrei-me de outra palavra desse excelente texto: Avanir: negação. Aparentemente composto de ava-, expressando recusa ou proibição + -nir 'vontade'. Aqui já não é algo impossível de ser feito, mas uma recusa, um direito que todos os Filhos de Eru têm de fechar as suas mentes a todas as outras e possuir poder absoluto para o tornar eficaz pela vontade. Apesar do estado natural das mentes ser a Abertura, todos têm direito ao livre arbítrio e a fazerem as suas escolhas.

Para a raiz LA estou com mais dificuldades…  é uma palavra independente para Não. Uma forma simples de expressar a vontade da mente???  :unsure:

 :ph34r:

Quanto a Valinor negar a sua ajuda a Elfos e Homens...  :glare: não estou de acordo!!!  :P Mas isso talvez noutro tópico...  :huh:

Neste caso, usaria a palavra La para expressar o meu desacordo  :closedeyes:  pois não ia negar nada que estivesse intimamente ligado comigo, mas apenas defender outro ponto de vista...  ou seja: Lá quetin    :P

« Last Edit: November 21, 2006, 07:31:05 PM by Gwen »
Lacho calad! Drego morn!

Théoden
Artífice do Tesouro
Maia
*****
Offline Offline


Posts: 1343

Westu Théoden hál!

View Profile E-mail

Conquistas

award1
award4
award9
award12
award13
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #2 on: November 22, 2006, 01:08:19 AM »
Também há a palavra avá!, que significa Don't!. :)

Muito interessante o tópico, Samanír. Vou ficar de olho no que sai daqui... :P

Who shall gather the smoke of the dead wood burning,
Or behold the flowing years from the Sea returning?
LoTR - Book III - The King of The Golden Hall

Samanír
Guest


E-mail
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #3 on: November 22, 2006, 01:58:09 PM »
AVA, é por isso Gwen, a forma mais propria de ‘não-querer’, e seguindo o teu exemplo ‘Avanír’, a capacidade de  ser ou não ser dominado pela mente, fechar ou não o espirito, a invasões e dominios alheios, pode indicar um bom ponto de partida. ^_^

Sendo que a existencia de espirito, mente, e o seu auto governo, um Dom de Eru, o livre arbitrio de cada um permitia o aceitar influencias e actuar de acordo com elas (como Melkor fez com alguns espiritos, mesmo de Deuses), ou rejeitar, e resistir a essas influencias.   :crying:

Portanto, na mesma sintonia, a um presente, que foi oferecido, o auto controlo da mente, a vontade propria, este podia ser negado, e abrir-se a vontades alheias, ou não, e é do que trata a palavra Avánir. :blink:

Tambem em 'Avari', ressalta este ponto. Foi ‘oferecido’ aos Elfos, habitação na Terra dos Deuses, onde podiam viver, afastados do Mal, sob a Luz das arvores, mas veja-se que este ‘convite’, era uma graça feita aos Elfos, não uma obrigação, uma escolha que se apresentou aos Elfos, que ou se sentiam atraidos e partiam, ou se demoravam, no local de nascimento, se o não quisessem fazer. Era um dom, sem compromisso de aceitação, que os Deuses deram aos Elfos.  B)

Os que decidiram ficar, Avari, são os que se encontram sob a definição de AVA, ou seja recusar, uma oferta, que é boa, mas que por capricho, ou por que estranha inclinação ou meandro, foi recusada.

È só reparar, já que falamos em dons, ofertas, que bem perto se encontra outra base semântica, do mesmo grupo linguistico, ANA... :D

Quanto ao LA, pois Gwen, és mais uma vez a cheia de recursos, quando referes ‘Lá Quetin’, ou seja ‘Eu digo não!’ :mad:

Se no segundo ponto, se expressa que a recusa de opiniões contrárias, de indignação, de contraditório, como uma forma de NEGAR... :huh:

È muita elegancia, desenvolver este ponto... :glare:



Gwen
Editor de Conteúdos
Maia
*
Offline Offline


Posts: 1733

View Profile E-mail

Conquistas

award4
award9
award12
award13
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #4 on: November 22, 2006, 05:47:00 PM »
 :) Muito interessante a exposição sobre AVA.

Mas voltando à base UGU,UMU, penso que é a recusa pura; algumas palavras de conotação muito negativa começam por -u  :huh: como ùmea (mau, maligno); urco (espectro, orc) e usada para expressar opostos, como por exemplo ( :rolleyes: um dicionário etimológico dá muito jeito...  :P) vanimo (belo) úvanimo (monstro)  :huh: Será então a base correcta para exprimir a forma mais negativa de recusar algo, em última instancia, a recusa a Eru?  :huh:

Mas não sei se era este o "rumo" que pretendias que o tópico seguisse, Samanír???  :unsure:
« Last Edit: November 22, 2006, 08:41:03 PM by Gwen »
Lacho calad! Drego morn!

Samanír
Guest


E-mail
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #5 on: November 23, 2006, 05:35:29 PM »
Muito bem, eu prossigo... :mellow:

LA, infere aquilo que vou chamar, contrariedades morais. ^_^

Por vezes aquilo que se encontra ao alcance das mãos é nos suficiente, para o conforto de cada um, e portanto, não nos imiscuimos nos assuntos alheios, excepto, aqueles que directamente nos dizem respeito, não criando opiniões muito concretas sobre temas que nos estão afastados, pouco preocupados e interessados, no sentido em que a vida e o mundo giram, rodeando como mariposas derredor desses individuos, que na sua medida, deixamos que influenciem grandemente no nosso bem estar e saude. Que importa se existe guerra, se isto está bem ou mal, se não se sinte na pele, ou melhor, isto é contrário, mas suportável, enfim, vivesse como se pode, umas vezes melhor outras pior, de acordo com o conformismo de cada um.... O que existe de muito licencioso aqui, naqueles que pensar e debruçar-se sobre os porquês disto e daquilo, só porque é fugir ao conforto e á´necessidade respondem os submetidos à Base LA...

Pespegar em matérias de relevancia abstracta, coloca-nos num posição delicada em que interessados, modernos, como somos, não tratam assunto algum por irrelevante e exprimem as suas opiniões e versões até em casos que sabemos que nunca nos afectarão, se bem que este fenomeno da Globalização, faz-me lembrar o caso da Borboleta de Lorenz, tudo o que passa neste Mundo aqui tem efeitos.

Daí que estar atento, logo vivo, é ter opiniões sobre tudo o que se te conhecimento, demonstrar que somos competentes para entrarmos nas particularidades daquilo que nos  aliena e tudo o que um intelecto humano cria, é passivel de ser examinado por um outro, estranho.

Só as mentalidades que não participam desta vida, dessa unica a que temos acesso, se encerram no seu mundo ao alcance das mãos, e pode abandonar aos outros a oportunidade de falar, exprimir, de participar. Reparem, é uma  exclusiva sorte que nos é dada de poder falar, sem que nos calem, de intervir nos destinos dos nossos destinos e dos outros sem que, como a história cofirma, reste num punhado de individuos a sorte dos restantes. A isto é sim Liberdade.  :bye1:

Num periodo de grandes guerras, forte mobilização deve ter causado ao Prof. Tolkien, e a seus filhos, constantemente a perguntar ‘Guerra, porque?’ :mad:

Por isso é por menos devemos responder ‘Lá quetin’.... :D

É sim por aí Gwen, que pretendo seguir quando chegar á recusa absoluta, ou seja recusar-se a si proprio...

« Last Edit: November 23, 2006, 09:42:39 PM by Samanír »

Gwen
Editor de Conteúdos
Maia
*
Offline Offline


Posts: 1733

View Profile E-mail

Conquistas

award4
award9
award12
award13
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #6 on: November 24, 2006, 04:44:13 PM »
Já temos então a explicação para AVA e LA  :)

Eu fixei-me no UGU,UMU... U-   :ph34r:

Úlairi, os Espectros do Anel. Uldor, o Maldito; Ulfang, o Preto, Ungolinat, a “anti-luz”, o "vazio", sempre me fez lembrar um “buraco negro”.  :ph34r: Urulóki, “serpente de fogo, dragão”; Úmarth, “Má Sorte”, nome fictício do seu pai, dado por Turin em Nargothrond.  :huh:
Úmanyar, “os que não são de Aman”, nome dado aos Elfos que começaram a Grande Viagem para Ocidente mas não chegaram a Aman, em comparação com Amanyar, “os de Aman”.  :huh:

Mais do que a mera negação, é um oposto: são aqueles que recusam a Luz, a Vida, as Origens… em última instancia, que se recusam a si próprios e portanto a Eru.  :ph34r:  Mas… parece-me… isso é uma Únat, uma coisa impossível de ser feita…  :P será???   :huh:
Lacho calad! Drego morn!

Samanír
Guest


E-mail
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #7 on: November 28, 2006, 12:03:15 AM »
Ora aí está:

Uma palavra, uma ideia, que muito me tem intrigado UMÁNYAR.... :rolleyes:

Isto é de ter aguas pelas barbas.... è ir bem lá ao fundo das ideias filosóficas de Tolkien. :(

O anti-Positivismo, é o que aceita a Verdade absoluta e a Não-Verdade (atenção nada tem a ver com mentira!) absolutas.
ou seja, possibilidade de acreditar nas Não-Verdades e suspeitar das Verdades, positivar a Negação, anti-positivar a Verdade.  :blink:

Aqui todos nos devemos de recordar de McTaggart e de Wittgenstein, bons 'Oxfordianos'... ;)

Samanír
Guest


E-mail
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #8 on: November 28, 2006, 11:42:29 AM »
Bem então eu prossigo.. :huh:

A palavra Ú(M)-, surge numa variedade de palavras das linguas élficas e tem significado geralmente de negação e até de oposição na medida que provem de -.

Mas aquilo a que se presta de mais evidente, é a negação da existencia. Tudo aquilo a que o homem nega legitimidade, ou seja põe em causa um acontecer, um objecto, um ser vivo, etc, i.e., quando se diz ‘isto não pode ser’, ‘isto não existe’, ‘isto não pode existir’, logo algo que repugna e se exclui por não caber nas concepções humanas. :crying:

Inclusive os esforços de cada um por recusar partes de si…ou seja a auto abominação! :(

Isto porque por estranho que pareça, o Corpo humano, não é um todo, mas partes que são vistas pelo ‘self’, como mais ou menos
valiosas, mais ou menos dispensáveis. :huh:

A tudo isto e a outro significado, é o que surge com ÚM-. ^_^

E dou como simples exemplo a forma verbal ‘úme’, ou seja, ‘não é’..

Agora associar o que ‘não é’ ao que é maligno, deve vir de outro motivo. :closedeyes:

Se criar, fazer crescer, amadurecer, são formas positivas, ou seja de bem, então, desfazer, torcer, arruinar, etc, serão
as formas, não positivas e de mal. :)

Agora se crermos que o que é legitimo no mundo, serão as formas positivas, então as formas não-positivas, serão as sua negação e oposição.

Isto é claro, porque o equilibrio é necessário.. Matéria e Anti-Matéria, me faz lembrar, sendo o resultado LUZ, ou a glória dos designios de Eru. ;)

Adiante. E agora Umányar? Os elfos que apesar de iniciarem a Marcha, não embarcaram na Ilha… Que o que é que eles recusaram de
concreto para se englobar em Ú- ? :wacko:

Parece que afinal estarei errado. Era muita elegancia e presunção mesmo.. :D





Gwen
Editor de Conteúdos
Maia
*
Offline Offline


Posts: 1733

View Profile E-mail

Conquistas

award4
award9
award12
award13
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #9 on: November 28, 2006, 08:04:54 PM »
Quote
E agora Umányar? Os elfos que apesar de iniciarem a Marcha, não embarcaram na Ilha… Que o que é que eles recusaram de
concreto para se englobar em Ú- ?

A Luz das Duas Árvores de Valinor???  :unsure: os conhecimentos que os Valar lhes podiam transmitir???  :huh:

E isso foi importante, para os Vindouros...  :) eles que não foram a Aman, mas viram e falaram com aqueles que lá estiveram.

Mas acima de tudo, penso que essa "negação" foi a da Luz Sagrada das Àrvores.  :(
Lacho calad! Drego morn!

Samanír
Guest


E-mail
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #10 on: November 29, 2006, 08:50:10 PM »
Bem, Gwen, tu falas daquela resistencia que todos sentimos ás coisas novas que não compreendemos perfeitamente... :o

A primeira recusa, a desconfiança, mas logo, logo, uma aceitação sem reservas.. :lol:

Ingenuidades á parte, eu pretendo ver doutro modo:

Atentemos  noutro ponto de vista muito interessante, que é a persepctiva de futuro, ou seja, imaginai-vos na pele dum Elfo Teleri, que vai abandonar o local onde nasceu… trocar o seu local de origem, por outro local, e ainda mais para nunca mais aí voltar… :blink:

Vejamos agora isto da perspectiva humana. Esquecer as suas raizes, o local onde nasceu, onde pela primeira vez sentiu o gosto de estar vivo, as conhecidas paisagens, as familiares pedras, árvores, caminhos(se falamos de Tolkien, leiam o poema ‘Upon the earth the fire is read…’), a primeira habitação… Virar costas a isto não é recusar algo de si próprio? :huh:

Será que esta associação única de Ú- a elfos é casual? Recuso-me a acreditar…  :closedeyes:

Que dizeis? :blink:

Gwen
Editor de Conteúdos
Maia
*
Offline Offline


Posts: 1733

View Profile E-mail

Conquistas

award4
award9
award12
award13
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #11 on: November 29, 2006, 11:44:34 PM »
 Mas quando eles foram para Aman (na Grande Marcha) não estavam proibidos de voltar.  :huh: Eles não estavam a "recusar" o local do seu nascimento, mas a afastarem-se da escuridão da Terra Média e da maldade de Melkor  :ph34r: por um determinado tempo... pois os Valar sabiam que um dia haveria uma Grande Luz na T.M. (para o nascimento dos Homens). Se as coisas tivessem corrido de outra forma, os Elfos podiam ter voltado nessa altura, se assim o desejassem...  :unsure: aliás, eles nunca estiveram proibidos de voltar, foi-lhes feito um convite e não uma imposição.

Só assim encontro uma explicação para a diferença entre Amanyar "os de Aman"  e Úmanyar “os que não são de Aman”; e a diferença reside no facto de uns terem visto a Luz das Duas Árvores e os outros não. POr outras palavras, uns são os Calaquendi (Elfos da Luz) e os outros os Moriquendi (Elfos da Escutidão). E não seria essa luz o "mais próximo" das suas origens, o mais próximo em Arda da Luz de Ilúvatar?   :)

« Last Edit: November 30, 2006, 12:04:35 AM by Gwen »
Lacho calad! Drego morn!

Samanír
Guest


E-mail
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #12 on: November 30, 2006, 07:13:39 PM »
Mas não.. Umanyar, não tem nada a ver com Amanyar, tem sim a ver com Vanyar, ou seja uma parte de uma tribo...

Mas a palavra surge logo no inicio do Silmarillion e no texto não se compara Amanyar, Povo de Aman, com Úmanyar, e só no indice de nomes é que é feita essa comparação. :angry:

Mas os Avari, tambem não viram Aman, e não é por isso que se chamam de Umanyar, e no texto, na mesma linha e frase, Tolkien, descrimina-os...  ;) E naõ te esqueças que para Aman, só foram Vanyar..

Não pode ser por aqui... :blink:

Por outro lado Gwen, tens razão quando, eles poderiam voltar, como voltaram, alguns, mas que dizer de Elwe Thingol, que é Umanyar, mas Calaquendi?  :P v. cap. De Melian e de Thingol.

Eis aqui sim a resposta :w00t:

A vontade propria, tambem se pode perder, quando outros valores se apresentam..



Gwen
Editor de Conteúdos
Maia
*
Offline Offline


Posts: 1733

View Profile E-mail

Conquistas

award4
award9
award12
award13
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #13 on: December 01, 2006, 01:42:34 AM »
 De facto a palavra Umanyar é intrigante  :huh: Mas continuo a pensar que tem a ver com a Luz de Aman :)

E na verdade Elwë Thingol era contado entre os Calaquendi  ^_^  e muito justamente pois ele, Ingwë e Fingwë foram dos primeiros dos Eldar a irem a Aman e a contemplarem o esplendor das Árvores :)

E ele desejava de facto voltar para Valinor com o seu povo  :closedeyes: apenas o seu amor por Melian o fez ficar (e talvez também algum estranho "acaso"  :rolleyes: ) mas não podemos esquecer que através de Melian, ele teve acesso a muita sabedoria que só podia ter aprendido no Reino Abençoado; e que também, no seu rosto  ele via a luz de Aman  :)

Quanto à diferença entre os Avari e os Umanyar...  :huh: a diferença talvez seja o facto dos Avari nunca terem a intenção de partir para Aman, enquanto os Umányar desejavam partir, mas algo aconteceu que os fez ficar e "percorriam as florestas e montanhas do mundo, mas os seus corações estavam voltados para Ocidente"    :closedeyes:  No fundo, eles desejavam Aman; mas encontraram na beleza e sabedoria de Melian uma "compensação" :)  e na verdade através dela, tornaram-se os mais belos e sábios entre aqueles que escolheram ficar na Terra Média  :closedeyes:

Cirdan certamente era um Úmanyar, pois ir para o Reino Abençoado era o seu maior anseio; ficou na Terra Média para procurar Elwë e porque, depois, um designio maior lhe foi imposto, o de um dia construir um barco que brilharia nos céus como uma estrela  ^_^

Quanto à própria palavra: Não só tem a raiz Ú (negação, recusa, oposto) como a raiz man: (bom, abençoado, sem mácula)  :huh: que foi o que eles... recusaram???  :(  mas nunca nos seus corações   :)  Então, é a "Recusa a Aman" ou uma "Recusa Abençoada"???  :huh:

Quanto aos valores de que falas, Samanír... não será mais "um estranho acaso da Terra Média"?  :P Gostava de ver essa ideia mais desenvolvida. :) No entanto, não concordo que a "vontade própria se tenha perdido"  :closedeyes: o coração de Elwë sempre esteve voltado para Aman, ou pelo menos para o rosto de Melian, onde ele via a Luz do Reino Abençoado.
« Last Edit: December 01, 2006, 01:08:12 PM by Gwen »
Lacho calad! Drego morn!

Samanír
Guest


E-mail
Re: AVA, ou as diversas formas de Negar...
« Reply #14 on: December 08, 2006, 12:44:45 PM »
Não, Umanyar não tem nada  a ver com man, na negação Ú, se em compostos é Um- e a restante forma anyar, a-nya-r, significa, caracteristica propria, adido de um plural.

Ume, p.e. a negação do ‘SER’, é um bom caso, pq senão Úe??, Ou Uéa? Existiriam? Os ‘UÉAR’! ou antes ‘UMÉAR’.

Esse Ú de que falas provem antes de GÚ-, que passa por ser parecido..

Mas se se gostar de maças é gostar de pastilhas de sabor a maçã, então acredito que a Luz de Aman na face de alguem fosse agradável! ^_^

Mas não. Ver a luz de Aman, na face de alguem, o que será? :blink:

Ah, alma desgostosa que não consegue alcançar estas mensagens, que Tolkien sublimamente expôs. :crying:

Eu não consigo fazer-vos ver a verdadeira poesia de Tolkien, pois os coraçoes estão fechados na cruel realidade, e que
não se consegue distinguir a realidade da fantasia. Porque essa colagem das experiencias reais na fantasia? A Fantasia
exige abstracção e por um momento olvidar o mundo lá fora. Será que só as crianças conseguem isto? :huh:

Descolar dos textos e voltar á sua mensagem.  :glare:

Se Thingol, reconheceu a luz de Aman na face da sua amada, e por isso ficou na Terra Media? E só por isso ficou?
Não, foi apaziguado o desejo de voltar a Aman. Se a luz de Aman lhe fosse imprescindivel, ele teria
partido, mas outros valores sobrevieram. :huh:


No bom jogo de orientações e intençoes, fazemos por vezes algo que vai contra as
nossas orientações. Mas que importa que goste ou não de morrer, se no fim de contas é inéxorável. :mellow:

Que importa ter o coração orientado para Valinor, se não sairam de Terra Média?

À raiz UM-, nunca disse que significa torpeza nos corações mas sim nos actos e consequencias. É na acção
que isto se passa, e não em conceitos mais ou menos metafisicos. AVA, negar, (acto fisico), LA, negar (acto expressivo), UMU, negar (acto reflectivo). São acções e não pré disposiçoes, que para isso é necessária uma causa e
Tolkien dá-lhe corpo – Melkor-, a grande vontade que é origem de toda a ruina e decadencia de Arda. :ph34r:

O espirito que contem em si aspectos negativos, e deseja po-los em pratica, ou seja prepara os actos,
é outra coisa lá mais para diante, se houver curiosos.. GOR. :huh:

Quanto a Cirdan, poderá ser Umányar, mas nada recusou, apenas obedeceu..

Obedecer será recusar? E se falarmos na Lei da Natureza Humana? Talvez não seja..   :D




» Os Livros » Linguística » Quenya » AVA, ou as diversas formas de Negar...