Portal           Istya           Galeria
Fórum Tolkienianos » Geral » Off-Topic » Arte dos Utilizadores » Triste

Autor Tópico: Triste  (Lida 866 vezes)


Thanatos
Maia
*****
Offline Offline

Mensagens: 2083

Ver Perfil E-mail
Triste
« em: Outubro 29, 2004, 11:43:37 am »
Tão simples e paradoxalmente tão complicado.

Como gerir as emoções? Como explicar a ela o que ele sentia? O peso amargurado de mais um dia como uma âncora que teimava em o afundar no mar das incertezas. E contudo... Bastava uma palavra. Ou talvez duas, ou três.

De cada vez que o Messenger piscava era como se o coração sofresse aquele aperto. Ali estava. Era agora. Só que nunca era agora. Nem depois. Nem amanhã. Arrastava-se de conversa inconsequente em conversa inconsequente. Como gerir o turbilhão em que se consumia?

Tentou cortar. Esquecer. Ignorar. Passar ao lado. Mas sempre retraçava os passos de volta. E via-se naquela noite, a chuva escorrendo do cabelo, observando intensamente a luzinha na janela do andar de cima, tremendo não do frio e da intempérie, mas da raiva, da comoção. E via-se a voltar costas. Um pouco mais morto.

E depois arranjara um pretexto. Um qualquer. Não tinha importância. Conseguira restabelecer a comunicação. Insonsa. Sem cometimentos. Sem nada. Mas sempre o mar das incertezas que teimava em o afundar. Em o reclamar novamente para o precipício. Não conseguia viver assim. Morrendo aos poucos.

Tentou perceber os limites. Até onde ir. O que dizer sem comprometer-se. Passava os dias defronte do monitor. Os dedos enclavinhados sobre o teclado suado. Fazia teatros mentais. Juras eternas. Chorava e ria em sequência. Tremia e exaltava-se. Escrevia para logo apagar. Apagava e arrependia-se. Levantava-se mas logo se sentava. Cada toque do telemóvel era o sobressalto. Cada passo na escada era o único. A tortura prolongava-se. Mas como? O que fazer ou dizer?

E como um filme com a bobina presa lá voltava à tal noite. À chuva.

O outro entrara como se estivesse habituado. Como quem era o dono da casa. Ficara por lá. Na manhã seguinte ainda o carro lá estava, provocadoramente, mesmo em frente à porta do prédio. E nesse dia ela tinha metido baixa. Como tinha doído ver a secretária vazia. Imaginá-la com os longos cabelos negros ao vento da Caparica. Rindo com ele. Abraçada. Contando coisas. Fazendo planos.

Sobre os restos dele. Da amizade que se tornara algo mais.

Mas que faltava? Que era aquilo? Onde ia ele?

Queria dizer-lhe tudo. De chofre. Na cara. Confrontá-la. Queria dizer-lhe que não era justo. Que morria todos os dias um bocadinho pela indiferença expressa dela. Mas no derradeiro instante... sobrava o vazio.

E o negro profundo do mar.

© Ricardo Loureiro, 2004

Ithil
Maia
*****
Offline Offline


Mensagens: 1135

Ver Perfil WWW E-mail
Triste
« Resposta #1 em: Outubro 29, 2004, 02:41:25 pm »
adorei thanatos, só para variar :D :D a imagem da noite à chuva tá excelente :rolleyes:

Citar
Cada passo na escada era o único.

Citar
Mas no derradeiro instante... sobrava o vazio.

E o negro profundo do mar.

tb adoro a repetição da associação mar das incertezas/âncora ao longo do texto

é incrível a maneira como,com expressões tão "profundas" e carregadas de sentimentos conseguiste exprimir um amor tão "simples e paradoxalmente tão complicado",envolvido por situações e imagens tão banais mas k estas palavras transformam em algo único e k prece tão "infantil" e km uma beleza tão própria e singela. não sei se m fiz entender ^_^  ^_^  
doce lua, doce anjo, que meus braços arrancaram do céu numa noite em que choviam estrelas... Ithil [/size][/font]

quem de noite assobia pelo diabo pia...

Isil, o Brilho, chamaram os antigos Vanyar à Lua, flor de telperion em Valinor (...) mas os Noldor também lhe chamaram Rána, a Inconstant

Narsil
Maia
*****
Offline Offline


Mensagens: 1222

Ver Perfil E-mail
Triste
« Resposta #2 em: Outubro 29, 2004, 05:42:45 pm »
Como todos os teus escritos... :) muito bom... B)

Muito profundo...
Não procures nem creias: tudo é oculto.
Fernando Pessoa


Bad Books Don´t Exist!
Portugal Magicko
Filhos de Athena

Tulkas_Astaldo
Vala
*
Offline Offline


Mensagens: 3387

We have lumps of it down the back

Ver Perfil WWW E-mail
Triste
« Resposta #3 em: Outubro 29, 2004, 05:58:55 pm »
thanatos espera ai que eu vou ali cortar os pulsos  :sad2: . este foi deliciosamente doloroso. e eu axo k deve ser o melhor elogio a este texto. great work  :D
« Última modificação: Outubro 29, 2004, 05:59:25 pm por Tulkas_Astaldo »

Dark_Fairy
Anão
**
Offline Offline


Mensagens: 66

Ver Perfil WWW E-mail
Triste
« Resposta #4 em: Novembro 01, 2004, 02:05:51 pm »
ADOREI MESMO!  :wub: A última frase acho que foi o final perfeito.
Parabéns!!!!!!!!!!!  :w00t2:  
"Spring is the only gold I carry" -J. Ahvenjärvi

Fórum Tolkienianos » Geral » Off-Topic » Arte dos Utilizadores » Triste