Portal           Istya           Galeria
Fórum Tolkienianos » Geral » Off-Topic » Arte dos Utilizadores » A magia do Basquetebol

Autor Tópico: A magia do Basquetebol  (Lida 871 vezes)


Níniel
Maia
*****
Offline Offline


Mensagens: 1569

Alatáriel

Ver Perfil E-mail
A magia do Basquetebol
« em: Outubro 08, 2004, 02:09:08 pm »
Não resisti. Este texto é de uma colega minha de basket que autorizou a coocar aqui. E como eu gostei, resolvi partilhar convosco. Espero que gostem.  :)

-----------------------------

Já escrevi sobre alguns temas, alguns destaques, alguns conceitos e até sobre assuntos dos quais pouco sabia ou até mesmo nada, mas ainda não falei de algo de maravilhoso, um jogo fantástico, sem o qual muita gente não poderia viver. É algo de extraordinário, indescritível. Só quem o joga, sabe do que estou a falar, ou pelo menos, a tentar falar. É óbvio, esperado e básico que estou a falar do maravilhoso Basquetebol. Sempre que falo Dele, inconscientemente, instala-se no meu rosto um extenso e comovido sorriso, transmitindo o bem estar que este jogo traz a quem o joga, a quem o sente, a quem o vive. Eu jogo, sinto e vivo este desporto incondicionalmente, independentemente da técnica ou da sua ausência. O importante é senti-Lo com o coração. Só quem o joga, sabe a emoção de marcar pontos, ouvir as palmas do ainda pouco público presente nos pavilhões, sabe sentir a cumplicidade que há numa equipa ao marcarmos cesto, aproveitando os 24 segundos e a bola tendo passado por todos os elementos. Só quem joga sabe a emoção que é emitida e recebida por parte de todos os intervenientes neste jogo. Só quem joga, sabe como é gratificante a boa defesa, dando origem a bons contra-ataques, seguidos pelo delírio e euforismo de todos os fanáticos do Basquetebol.

O Basquetebol é poesia em movimento, algo de incrível e de especial. Por esta ordem de ideias, quero ser “poeta” para o resto da vida, porque sem esta “poesia”, a minha presença neste planeta não faz sentido. Por mim continuava a fazer “poesia” toda a vida, mas a minha carreira de “poetisa” ainda é muito curta e com pouca experiência.
Os protagonistas principais num jogo de Basquetebol são, sem dúvida, os jogadores, os grandes mágicos e artistas com a bola na mão, mas sem os treinadores, árbitros e oficiais de mesa, era impossível dar início a uma partida.
A tarefa de um árbitro é muito mais difícil do que a de um jogador…um jogador, no fundo, está a divertir-se e a fazer o que gosta, já um árbitro tem muito mais responsabilidade e o medo de errar é constante. Já para não falar da pressão exercida por parte dos jogadores, dos treinadores e do “quente” público sobre eles ( e eu contra mim falo). Tudo isto me leva a crer que este senhores, tantas vezes injustos e injustiçados, são seres humanos de uma coragem extrema, mas acima de tudo, nunca se esqueçam, são seres humanos e estão sujeitos ao erro. A todos eles um muito obrigada e um pedido de desculpas, se bem que envergonhado e escondido por detrás de uma folha, mas sem dúvida reconhecido.
Todos nós sabemos como somos, como deveríamos ser, os nossos defeitos, as nossas lacunas, as nossas falhas, mas admitir tais factos, ainda que por escrito, é um pouco mais complicado, parecendo até que a caneta não quer escrever.
Falta “apenas” falar de alguém muito importante, que embora não jogue por nós, é impossível jogar sem ele. Faz grandes sacrifícios em virtude do Basquetebol, logo por nós. Muitas vezes é mal interpretado, sofre no banco como ninguém. Como ser humano que é, também erra, mas o seu erro comparativamente com o seu todo e atitude, é nulo e invisível. É alguém que nos acompanha ao longo de toda a nossa trajectória, sempre pronto a estender-nos a mão e ajudar-nos a levantar. Alguém que acima de tudo, tem como objectivo e desejo, que nos tornemos melhores. Alguém para festejar o êxito da vitória e corrigir as derrotas. Alguém denominado Treinador, alguém chamado Petiz. A ele, um muito obrigado, em meu nome pessoal e, tenho a certeza, que em nome de toda as minhas colegas de equipa.

Só me resta agradecer a um senhor, o “Pai” de um jogo consistente em “depositar” a bola num cesto, o maior número de vezes, em 40 minutos, a quem pôs o nome de Basquetebol. A este grande “poeta” e impulsionador deste grande jogo, chamado James Naismith, um muito obrigado, em nome de todos os amantes deste alucinante e fantástico jogo!

#10  ^_^
« Última modificação: Outubro 08, 2004, 02:09:43 pm por *Lúthien_Tinúviel* »
All we have to decide is what to do with the time that is given to us.

Narsil
Maia
*****
Offline Offline


Mensagens: 1222

Ver Perfil E-mail
A magia do Basquetebol
« Resposta #1 em: Outubro 08, 2004, 05:27:05 pm »
Muito interessante e giro.... B)  B) .uma maneira diferente de ser falar debasket ...com profundidade e sentimento... :P  
Não procures nem creias: tudo é oculto.
Fernando Pessoa


Bad Books Don´t Exist!
Portugal Magicko
Filhos de Athena

ApoK
Humano
***
Offline Offline


Mensagens: 143

Ver Perfil WWW E-mail
A magia do Basquetebol
« Resposta #2 em: Janeiro 02, 2005, 12:08:07 am »
Oh mas que surpresa, andava a "vaguear" pelo fórum e encontro isto.

Eu percebo bem o que a autora quer dizer com essas palavras, joguei basket durante dez anos, e modéstia à parte, a minha equipa ainda conseguiu algum sucesso a nível nacional (nas camadas jovens obviamente).

Só um reparo, o senhor James Naismith deu origem ao que conhecemos como o Basquetebol moderno, que nos USA tem mais do que 40 minutos de jogo. Quando este senhor inventou o lançamento de uma bola a um cesto, ainda estávamos longe de ver o basquetebol nos moldes que o conhecemos hoje.

Parabéns a autora, o texto está engraçado, deve ser uma apaixonada pelo jogo.

Fórum Tolkienianos » Geral » Off-Topic » Arte dos Utilizadores » A magia do Basquetebol